Make your own free website on Tripod.com

 

 

Decoded Feedback:

 

Yone e Marco

 

 Discografia:

  

"Overdosing" Cd 1996

 

 

 

 "Technophoby" Cd 1997

 

 

 

 "Bio-vital" Cd 1998

 

 

 

 "Evolution" Cd 1999

 

 

 

 "Reflect in Silence" Mcd 2000

 

 

 

 "Mechanical Horizon" Cd 2000

 

 

 

Reflecte em Silêncio...

 

 

 

 

Desde que, em 1993, decidiram formar o projecto Decoded Feedback, Yone e Marco já editaram 5 excelentes álbuns que ficarão para a história da música electro-industrial, são eles: Overdosing, Technophoby, Bio-Vital, Evolution e Mechanical Horizon. Neste momento estão já a terminar as gravações do seu 6º longa duração, que se irá intitular Shockwave, que será editado em Setembro. Entre as gravações tiveram, ainda, tempo para responder a algumas perguntas, para ficarmos a conhecer um pouco melhor este fabuloso duo.

 

 

 

 

 

nsi: Gostaria que nos contassem a história dos Decoded Feedback.

 

DF: Os Decoded Feedback nasceram em 1993. Estávamos na altura a viver em Turin. A cena industrial estava tão pujante e excitante que decidimos criar a nossa própria banda. Começámos com alguns instrumentos e um sequenciador . A nossa primeira demo tape “Decoded Feedback” foi lançada em 1993. A revista Side-Line fez um crítica tão boa da demo que a Hard Records Europe nos contactou e ofereceu um contrato. Nós nem conseguíamos  acreditar. O nosso primeiro CD “Overdosing” foi lançado em 1996 pela Hard Records Europe/Cleopatra. Quando a Hard Records faliu, a Zoth Ommog and Metropolis Records ficou com o nosso contrato. Lançámos “Technophoby” em 1997, "Bio-Vital" em 1998 e "Evolution" em 1999. Mudámos para a Bloodline Records em 2000 na Europa, mas ficámos na Metropolis Records nos Estados Unidos. Lançámos o single "Reflect in Silence" e o CD "Mechanical Horizon" em 2000.

 

nsi: O vosso último CD “Mechanical Horizon“ foi lançado em 2000. Estão a preparar material novo?

 

DF: O nosso novo CD "Shockwave" está a meio caminho de ser acabado. "Shockwave" é muito mais pesado que “Mechanical Horizon". Será lançado quer pela Bloodline, quer pela Metropolis Records em setembro de 2002. Em Agosto, a Bloodline também vai lançar um single. O single vai ter remixes dos Noisex, Imperative Reaction e também de outros grupos que serão brevemente anunciados.

 

nsi: Notei uma pequena diferença no som de "Mechanical Horizon", acho que está mais melódico que nos trabalhos anteriores. Gostaria de saber qual a vossa opinião e que nos dissessem algo mais acerca deste trabalho.

 

DF: "Mechanical Horizon" é muito mais melódico. Trata-se de um CD mais profundo, mais emocional que os restantes. Reflecte as nossas vidas e as das pessoas que nos rodeiam. Reflecte a nossa visão do mundo. Mas o nosso novo CD “Shockwave" é mais pesado.

 

nsi: Vocês também fizeram uma cover de “The Sequel” dos The Fields of The Nephilim. Será que eles são uma das vossas influências?

 

Marco: Os The Fields of Nephilim são a minha banda preferida. Pareceu-me natural homenageá-los.

 

nsi: Que outras bandas também vos influenciam quando compõem?

 

DF: Não somos influenciados por nenhuma banda, pelo menos de uma forma consciente. Ouvimos muita música e por isso acabamos sempre por sofrer algumas influências. Temos ouvido muito noise e música mais pesada que o habitual. Assim, o nosso novo CD tem algumas influências de noise. A própria vida também nos influencia. Tudo aquilo que se passa à nossa volta e no mundo tem a sua influência. O 11 de Setembro teve um grande impacto em nós bem como na nossa música.

 

nsi: O single extraído de "Mechanical Horizon", “Reflect in Silence”, é em minha opinião a melhor música do CD. Por que razão escolheram “Reflect in Silence”, e que resposta esperam vir a ter por parte dos fãs relativamente a este tema?

 

Marco: "Reflect in Silence" também é o meu tema favorito. Sentimos que a melodia e a letra transmitem uma espécie de força para sobreviver. As letras são o reflexo da dor e do sofrimento que tivemos que suportar ao longo da história. A história é importante, ajuda-nos a aprender com os nossos erros e a não voltar a repeti-los.

 

nsi: Há alguma mensagem que pretendem transmitir na vossa música?

 

DF: Esperamos que ela consiga transmitir força e humanidade.

 

Marco: As letras dos nossos temas tratam de assuntos comuns a muitas pessoas.

 

nsi: É fácil recriar ao vivo a força que se consegue sentir ao ouvir a música dos DF em casa, como por exemplo em Reflect in Silence?

 

Yone: As nossas actuações ao vivo transmitem a força dos nossos temas. Em palco damos vida às nossas músicas. Actuamos com paixão e esperamos fazer de cada concerto uma experiência única. "Reflect in Silence" ao vivo é um verdadeiro hit. O Marco envolve-se completamente quando está a actuar; em palco, ele é muito teatral. Agora temos um baterista profissional nos concertos e vamos continuar com um daqui em diante: transmite uma força incrível ao espectáculo.

 

nsi: Qual a reacção do público ao vossos concertos?

 

DF: Dançam muito :) e deixam-se levar pela música.

 

nsi: Quais são os vossos planos para o futuro?

 

DF: Estamos a pensar fazer uma digressão pelos Estados Unidos e pela Europa durante o outono. Estamos neste momento a decidir os locais onde vamos actuar. Em Abril, a Bloodline vai lançar novamente o nossa primeiro CD “Overdosing”. Estamos também a trabalhar num projecto paralelo techno/ambient; esperamos lançar um single, lá para o fim do ano.

 

nsi: Desejam deixar alguma mensagem para os fãs que lerem esta entrevista?

 

DF: Esperamos ver-vos em breve, ao vivo :) . Apoiem a música nova, comprando CDs e não fazendo só downloads de MP3s. Por favor comprem originais, só assim será possível manter a nossa onda viva. Obrigado.

 

 

Leonel Silva

(Março 2002)

Tradução: A. Guedes

 

VOLTAR

 

 

AGHAST VIEW

WAVE IN HEAD

Ivory Frequency

Haus En Factor

Crüxshadows

Neuropa

Decoded Feedback

Project X

Glis

Suicide Commando

Flesh Field

NoComment

Cenobita

Pulcher Femina

Kung Fu Trunx

Sabrina

Ice Ages

Technoir

Inertia