Make your own free website on Tripod.com

 

 

Technoir:

 

Julia Beyer e Steffen Gehring + Stephan Altengarten (live keys)

 

Discografia:

   

  "Eingenspace" Cd 1996

 

 

 

"Sea Leavel" Cd 1998

 

 

 

"Sample" Demo-Cd 2000

 

 

 

 "Samples" Demo-Cd 2000

 

 

 

"Requiem" Mcd 2001

 

 

 

 "Groundlevel" Cd 2001

 

 

 

 

 

Um projecto a não perder de vista

 

Os Technoir surgiram em 1997 tendo como mentor Steffen Gehring, ao qual se juntou mais tarde o segundo membro Julia Beyer. Estes acabaram de assinar um contrato com a conceituada editora Bloodline, editora das bandas Funker Vogt, S.P.O.C.K, Decoded Feedback, etc. o que nos despertou atenção. Fizemos uma entrevista aos Technoir para descobrir mais acerca deste projecto:

 

 

nsi-online: Quando começou o projecto Technoir?

 

Steffen Gehring: Em 1995 eu comecei a produzir músicas sozinho. Nesta altura não tencionava iniciar nenhum projecto. Então em 1996 conheci Stephan Kalwa dos Plastic Noise Experience (PNE).Decidimos gravar algumas músicas instrumentais e chamámos a este projecto Eigenspace. Em paralelo a estas actividades eu concentrava-me nas minhas músicas, começando a levar as coisas de uma forma mais séria.

Nos inícios de 1997 eu já tinha uma boa quantidade de músicas com utilidade e decidi começar o meu próprio projecto ao qual dei o nome de Technoir. O nome foi retirado de um disco, que aparece no filme Terminator.

Os PNE estavam-se a preparar para a digressão Rauschen e convidaram-me para me juntar a eles como teclista ao vivo. Durante a digressão dos PNE terminei as sessões de gravação do que seria o nosso primeiro álbum Sea Level. Isto foi o início!

Muito mais tarde em 1999, eu conheci a Julia Beyer, cantora dos Inside (psyche side project) e decidi continuar os Technoir com ela.

 

nsi-online: Como teclista dos PNE, estes influenciaram-te na composição das musicas dos Technoir?

 

Steffen Gehring: Para além do facto dos Technoir e dos PNE fazerem musica electrónica, os technoir são diferentes em vários aspectos.

Os Technoir são mais melancólicos e menos minimalistas do que os PNE. Mas eu posso dizer que fui influenciado positivamente pelos PNE, o que me levou a fazer música electrónica de forma mais seria.

Eu gostei de estar em digressão com Claus, Stephan e Rene e podia identificar-me com a sonoridade deles. Claus também se identificava com musicas dos Technoir, as quais fazem parte dos concertos dos PNE.

Ao ouvirmos o álbum instrumental “Eigenspace” , resultado do meu trabalho e do Stephan Kalwa's podemos encontrar influências mais marcadas. Aqui temos 50% de minimalismo dos PNE e os outros 50% de melancolia dos Technoir. (Smile)

 

nsi-online: O que retractam as letras dos Technoir?

 

Steffen Gehring: As letras são sobre relações, desejos, sonhos e medos. O EP Sea Leavel é mais orientado para as pistas de dança. A voz um quanto agressiva pode ser vista como um instrumento na globalidade do som. Embora não tenha dado muita atenção à voz nessa altura, esta tem um efeito poderoso no resultado final, esta adiciona “dançabilidade” e atmosfera ao som.

Em contraste, o primeiro álbum Eigenspace (Instrumental) é mais calmo.

 

nsi-online: Os Technoir assinaram um contrato com a editora Bloodline para o ano de 2001. Como vos surgiu essa oportunidade? Sendo a maior parte das bandas desta editora conhecidas mesmo antes de assinarem por esta.

 

Julia Beyer: Tens quase razão, mas também podemos encontrar outras bandas que nunca gravaram um álbum antes, como os Re-work ... De certo que é difícil arranjar um contrato de gravação nos tempos que correm! Eu apenas enviei algumas Demos e a Bloodline foi a única a responder! Eu também penso que tivemos uma grande vantagem, pois nós não somos realmente “novos” neste negócio. tivemos a oportunidade de produzir a nossa demo junto com Winus Rilinger (Eternal Afflict, Inside,...) e tanto o Steffen como eu juntámos experiência em outras bandas e estes factos realmente ajudaram muito (Sorriso).

 

nsi-online: Para quando podemos esperar um novo álbum?

 

Julia Beyer: Está planeada a edição de um single nesta primavera sendo seguido de um álbum. Infelizmente ainda não temos datas...!

 

nsi-online: Planos para actuações ao vivo?

 

Julia Beyer: O nosso próximo concerto é dia 9 de Fevereiro em Neuss, Alemanha no Haus der Jugent, juntamente com Klirrfaktor e Behind the Scenes! Existem outros concertos em vista mas ainda não estão confirmados.

 

nsi-online: Qual a vossa opinião sobre o cenário eletro-industrial?

 

Steffen Gehring: Não é fácil de responder a esta pergunta; eu tenho estado no meio “electro” desde há bastante tempo, desde que eu vi os Front242 em 1986. Nesses dias era relativamente fácil para as bandas chamarem a atenção com sons electrónicos mais agressivos do que bandas como Depeche Mode estavam dispostas a criar. Hoje em dia esta tudo estabelecido, entre soft synthpop até ao agressivo industrial noise.

Especialmente na Alemanha o meio “electro” está muito espalhado. Mas mesmo aqui gostava que as pessoas tivessem a mente mais aberta perante novos estilos musicais. Muita gente gosta de ficar agarrada às suas velhas músicas favoritas e ainda dançam ao som de “Headhunter” ou “Let your body learn”.

Mas provavelmente este é o comportamento da generalidade dos seres humanos (Sorriso), eu também gosto de algumas gravações antigas (Sorriso). Vocês estão a provar o contrário, têm a mente aberta pois estão a fazer uma entrevista com os Technoir.

 

nsi-online: Últimas palavras?

 

Steffen Gehring: Sem grandes palavras, apenas um grande “obrigado” pelo vosso interesse nos Technoir. Saudações da Alemanha.

 

Pedro Magalhães

(Janeiro 2001)

 

VOLTAR

 

 

AGHAST VIEW

WAVE IN HEAD

Ivory Frequency

Haus En Factor

Crüxshadows

Neuropa

Decoded Feedback

Project X

Glis

Suicide Commando

Flesh Field

NoComment

Cenobita

Pulcher Femina

Kung Fu Trunx

Sabrina

Ice Ages

Technoir

Inertia